quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Telescópio Hubble mostra morte de uma estrela como o Sol


Fenómeno raríssimo foi registado e mostra a explosão e o fim de uma estrela. Surgiu assim uma nebulosa que os astrónomos chamam de "ovo podre", dadas as quantidades de enxofre libertadas
Calabash Nebula . D.R. (ESA)

telescópio Hubble, construído pela agência norte-americana NASA com contributos da congénere europeia, capturou a morte de uma estrela semelhante ao Sol e a sua transformação numa nebulosa.


O fenómeno raramente observado pelos astrónomos foi fotografado e mostra a estrela moribunda em rápida transformação, passando do que costumam chamar de uma "gigante vermelha" para uma nebulosa planetária.

Da explosão resultou a nebulosa Calabash, que deixou nuvens de gás e poeira nas suas imediações. A foto divulgada mostra o gás amarelo que foi projetado a uma velocidade próxima de um milhão de quilómetros por hora.

De acordo com a informação divulgada pela Agência Espacial Europeia, a transição entre a estrela e a nebulosa ocorre de forma suficientemente rápida, em termos astronómicos, o que implica a dificuldade em se obter registos visuais de situações anteriores.
Fonte: http://www.tvi24.iol.pt/tecnologia/agencia-espacial-europeia/telescopio-hubble-mostra-morte-de-uma-estrela-como-o-sol

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Prepare-se: colisão entre estrelas poderá ser vista a olho nu

Colisao entre estrelas
KIC 9832227: O par de estrelas está tão próximo entre si que os objetos já compartilham da mesma atmosfera.


Um violento impacto entre estrelas deverá iluminar em breve o céu noturno e poderá ser visto por qualquer pessoa. Segundo especialistas, o choque será tão poderoso que produzirá um brilho maior que qualquer estrela do firmamento.
Colisao entre estrelas

A visualização do choque ocorrerá daqui cinco anos, em 2022, e será causado pelo impacto e fusão da estrela binária KIC 9832227, localizada a uma distância de 1800 anos-luz da Terra.

Atualmente, esse sistema duplo tem um brilho muito fraco e só pode ser visto através de telescópio, mas crescerá cerca de 10 mil vezes após o impacto. No entender dos astrônomos, o clarão deverá permanecer visível por diversos dias, na constelação do Cisne.

Esse sistema híbrido já é velho conhecido dos pesquisadores e desde 2013 passou a chamar a atenção pela possibilidade de choque e fusão.

Segundo os estudos, o par estelar está tão próximo entre si que já compartilham da mesma atmosfera, situação muito parecida com V1309 Scorpii, cuja atmosfera também era combinada e girava cada vez mais rápido até sua explosão em 2008.

Consequências
O choque entre as duas massas de gás produzirá o que os astrônomos chamam de "nova vermelha", fenômeno caracterizado pela fusão de uma estrela binária. Aqui da Terra, a maior consequência será a formação de um ponto muito luminoso no céu, mais forte que qualquer outra estrela visível.

Como explicado, o choque está previsto para 2022 e enquanto não acontece a dupla de estrelas poderá ser observada ou pesquisada por qualquer astrônomo amador, que poderá medir a flutuação do brilho da estrela binária, cada dia maior e mais frequente. Experimente!
Fonte: KIC 9832227: O par de estrelas está tão próximo entre si que os objetos já compartilham da mesma atmosfera.

Pessoas que ficam vermelhas são generosas e inspiram confiança


(iStock | EvgeniiAnd)

Se você é do tipo que fica vermelho e sem graça por qualquer coisa, provavelmente não vê isso como uma virtude e às vezes até sente que todo mundo te acha meio bobo (experiência própria aqui), não é? Se for assim, temos duas boas notícias. A primeira é: não só as pessoas não te acham bobo, como ainda te acham mais confiável. E a segunda: na verdade, não se trata de apenas parecer mais virtuoso – um estudo publicado no Journal of Personality and Social Psychology (publicação Associação Americana de Psicologia) mostrou que pessoas assim são mais generosas e realmente merecem a confiança dos outros.

“Níveis moderados de constrangimento são sinais de virtude“, disse Matthew Feinberg, um estudante de doutorado em psicologia na Universidade da Califórnia em Berkeley e principal autor do estudo. “Nossos dados sugerem que isso é uma coisa boa, e não algo contra o qual você deve lutar.” Segundo ele, o constrangimento moderado que surge sem ter motivo é uma assinatura emocional das pessoas em quem se pode confiar.

Segundo Feinberg, isso é positivo tanto nos negócios, já que essas pessoas também inspiram maior cooperação dos outros, quanto na vida amorosa: indivíduos que se constrangiam mais facilmente relataram níveis mais elevados de monogamia.

Só não podemos confundir isso com a vergonha exagerada que caracteriza a fobia social, nem com a vergonha decorrente de um erro moral que tenhamos cometido. Essas emoções têm uma natureza diferente. O constragimento que estava sendo estudado vem naturalmente e está associado a pessoas com a consciência limpa que, mesmo sem motivo, ficam sem graça com certas coisas. Os gestos demonstrados são diferentes também: segundo os pesquisadores, enquanto o gesto mais típico de embaraço é olhar para baixo, virado para um lado e cobrindo parcialmente o rosto enquanto sorri ou faz careta, uma pessoa que sente vergonha por algo ruim que tenha cometido normalmente cobre todo o rosto.

Os experimentos

Os resultados da pesquisa foram coletados a partir de uma série de experimentos que usaram depoimentos em vídeo, jogos de confiança econômica e pesquisas para avaliar a relação entre vergonha e sociabilidade. No primeiro experimento, 60 estudantes universitários foram filmados contando momentos embaraçosos, como flatulência em público ou julgamentos incorretos sobre algumas pessoas. As fontes mais típicas de vergonha incluíam achar que uma mulher com excesso de peso estivesse grávida (quem nunca, né?) ou confundir uma pessoa toda desgrenhada com um mendigo. Cada depoimento em vídeo foi classificado com base no nível de constrangimento mostrado.

Os voluntários também participaram do “Jogo do Ditador”, normalmente usado em pesquisas para medir o nível de altruísmo das pessoas. Nesse caso, cada um recebeu 10 bilhetes de rifa e foi-lhes dito que mantivessem uma parte deles para si e dessem o restante a um parceiro. Os resultados mostraram que aqueles que apresentaram maiores níveis de constrangimento deram mais bilhetes para os outros, o que indica mais generosidade.

Pessoas excessivamente confiantes são menos confiáveis?

Em outro experimento, os participantes assistiram a uma cena em que era dito a um ator que ele havia recebido uma pontuação perfeita em um teste. Ele então fazia um gesto de constrangimento ou orgulho e os voluntários passaram por testes, depois, para mediar o seu nível de confiança no ator com base nessa reação. O resultado? Ter mostrado sinais de constrangimento inspirou mais reações positivas dos espectadores. O estudo descobriu que as pessoas têm mais vontade de se aproximar e se sentem mais confortáveis em confiar em quem fica constrangido facilmente.

Segundo os pesquisadores, a questão que fica e pode ser estudada no futuro é: será que, por outro lado, pessoas excessivamente confiantes inspiram menos confiança? O que você acha?
Fonte: super.abril.com.br

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Supervulcão na Itália pode ameaçar vida de 500 mil pessoas





Uma caldeira de 12 km de largura que forma um vasto vulcão na costa da Itália está apresentando sinais de que irá despertar depois de quase 500 anos de inatividade.

Este supervulcão foi o responsável pela extinção dos neandertais, e atualmente há cerca 500 mil pessoas vivendo em torno dele. Os pesquisadores dizem que ele parece estar se aproximando de um ponto crítico de pressão que poderia levar a uma erupção. Os supervulcões são extensos campos de atividade vulcânica, formados quando um vulcão expulsa muito magma do seu centro. Ele desmorona sobre si mesmo, deixando uma vasta cratera e uma paisagem cheia de atividade hidrotérmica e ácido sulfúrico.

Campi Flegrei – em português, Campos Flégreos – é outra grande área vulcânica, localizada ao oeste de Nápoles, Itália. Com 24 crateras e grandes edifícios vulcânicos, a maioria está sob o Mar Mediterrâneo. O supervulcão foi formado há 39.000 anos, no maior episódio de erupção da Europa.

Desde sua formação, só produziu duas grandes erupções, uma há 35.000 anos e outra há 12.000 anos. Porém, uma pequena erupção ocorreu em 1538. Mas quando dizemos “menor”, tudo é relativo, já que esta erupção durou oito dias seguidos e eliminou muito material na área circundante, formando a montanha Monte Nuovo.

Embora a erupção que ocorreu há 200.000 anos tenha sido tão cataclísmica, um estudo de 2010 sugere que um “inverno vulcânico” levou à extinção dos neandertais. Enquanto a conexão do desaparecimento dos neandertais permanece um mistério, a erupção, que colocou para fora 3,7 trilhões de litros de rocha derretida na superfície não pode ser considerada a razão.

“Essas áreas podem dar origem às únicas erupções que podem ter efeitos catastróficos globais comparáveis a grandes impactos de meteoritos”, disse Giuseppe De Natale do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia da Itália. Uma equipe liderada pelo vulcanólogo Giovanni Chiodini do Instituto Nacional Italiano de Geofísica em Roma informou que os Campos Flégreos parecem estar se aproximando de um ponto de pressão crítica que poderia desencadear outra erupção.

 Este ponto de pressão crítica – que se refere à pressão crítica de desgaseificação (CDP) – poderia conduzir à agitação vulcânica para um estado crítico. De acordo com os relatórios da equipe, é liberando um jato de gás superquente na atmosfera, além de fluidos e rochas hidrotermais, causando possíveis erupções.

“Rochas hidrotermais, quando aquecidas, podem perder a sua resistência mecânica, causando uma aceleração no sentido de condições críticas”, explicou Chiodini. Durante a última década, os Campos Flégreos passaram por uma “elevação”, ou seja, os gases voláteis estão subindo para a superfície em um ritmo acelerado. Em resposta a esta elevação, a Itália aumentou o nível de alerta de verde para amarelo em relação ao supervulcão.

Segundo Chiodini, dois outros vulcões ativos, Rabaul em Papua Nova Guiné e Serra Negra em Galápagos, mostraram aceleração na deformação do solo antes da erupção com um padrão semelhante ao observado no supervulcão italiano. Este é o momento em que o residentes próximos devem entrar em pânico? Ainda não, pois nesta fase é praticamente impossível prever o que vai acontecer.

 “Temos muitas incertezas e previsões de longo prazo. O processo que descrevemos poderia evoluir em ambas as direções: nas condições pré-eruptivas ou no acabamento da agitação vulcânica”, disse Chiodini ao The Washington Post.
Fonte: http://www.jornalciencia.com/supervulcao-na-italia-pode-ameacar-vida-de-500-mil-pessoas/

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Cidade construída há 7 mil anos é descoberta no Egito


Local pode revelar novas informações sobre como vivia a elite do país durante as primeiras dinastias

Templo de Seti I, em Abidos (Foto: Wikimedia/Roland Unger)TEMPLO DE SETI I, EM ABIDOS (FOTO: WIKIMEDIA/ROLAND UNGER)
Uma cidade construída há milhares anos foi encontrada no Egito. A descoberta foi realizada por uma missão arqueológica do Ministério de Antiguidades do país, cujo turismo tem diminuído de forma considerável desde a queda do ditador Hosni Mubarak em 2011.

O local fica perto do templo de Seti I, um memorial do período do Novo Reinado que fica na cidade antiga de Abidos — especialistas acreditam que ela tenha sido a capital do Egito do final do Período Pré-dinástico ao início das dinastias. Segundo as autoridades egípcias, as construções foram desenvolvidas há cerca de sete mil anos, na época da Primeira Dinastia.

Na cidade antiga, os arqueólogos encontraram cabanas, ferramentas, cerâmicas e cerca de 15 grandes túmulos. Estes são importantes porque podem provar que a cidade era o lar dos oficiais egípcios mais importantes da época.

"Os túmulos encontrados no cemitério são maiores do que alguns túmulos reais construídos em Abidos durante a Primeira Dinastia, o que reforça a importância e o alto status social das pessoas enterradas ali durante o começo da história do Egito antigo", afirmou o Ministério de Antiguidades. 

Em entrevista à BBC, o professor Chris Eyre, da Universidade de Liverpool, reforçou a importância da cidade descoberta. "A alguns quilômetros de onde esses materiais foram encontrados, temos um cemitério que possui tumbas reais de diferentes períodos, de antes das dinastias até os primeiros reis a serem identificados", explica. 
Fonte: http://revistagalileu.globo.com

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Empresário quer colonizar Marte, mas avisa que habitantes devem se preparar para morrer



A essa altura você provavelmente já deve saber dos planos de Elon Musk, CEO da empresa SpaceX, para colonizar Marte.

   Basicamente, ele evolve o envio de um milhão de pessoas em um período de 40 ou 100 anos por um preço razoavelmente “acessível”: 200 mil dólares por cabeça, segundo informações da Science Alert. Recentemente, durante uma apresentação no Congresso Astronômico Internacional, realizado em Guadalajara, no México, ele delineou o projeto em um plano de quatro passos, que inclui como serão os foguetes utilizados para o transporte interplanetário, as naves espaciais, o combustível utilizado e outros componentes cruciais que complementarão o trabalho.

 1 – Missões de reconhecimento

Segundo Musk, inicialmente serão enviadas missões de reconhecimento apenas para certificar que sabemos tudo sobre como e onde pousar, além de descobrir a melhor maneira de se obter água. A nave que será utilizada para isso, uma variante espacial apropriadamente chamada de Red Dragon (Dragão Vermelho), será lançada em 2018 e ajudará a demonstrar quais as tecnologias necessárias para pouso de grandes cargas em solo marciano. “As missões da Red Dragon também ajudarão a informar a arquitetura geral para colonização de Marte”, disse Musk. “Queremos estabelecer uma cadência constante, em que há sempre um voo saindo da plataforma, como um trem que sai de uma estação”, revelou ele acrescentando que a missão experimental levará pelo menos duas ou três toneladas de carga útil para a superfície do planeta vermelho.

Ao que tudo indica, a “carga útil” em questão, provavelmente será composta por robôs de caça, que ajudarão na busca por água, além de dispositivos que tentarão realizar uma reação chamada Sabatier – um processo químico que visa extrair o carbono do ar, para combiná-lo com hidrogênio (água) e energia solar para criar combustível.

 2 – Depósitos de combustível

Segundo Musk, a nave Heart of Space voará para Marte carregando somente o equipamento necessário para construir uma usina propulsora. Uma vez que a SpaceX consiga definir como aterrissar com segurança e sem abrir uma cratera na superfície do planeta, a nave iniciará seu trabalho para construir um depósito de combustível (metano) de grande escala. O motivo para isso, segundo ele, é que a as naves não sairão da Terra carregando o suficiente para retornar.

 “Seria um absurdo tentar construir uma cidade em Marte, se a sua nave espacial só ficar hospedado lá e não retornar para a Terra”, disse ele. “Você criaria um cemitério maciço de naves”.

3 – A primeira missão tripulada

Segundo ele, há um primeiro grupo de voluntários que irá na primeira missão tripulada para Marte. Eles levarão consigo os equipamentos necessários para a construção de uma base rudimentar e planta propulsora de retorno. No entanto, eles primeiro terão de construir um habitat, formas de obter energia, cultivo de alimentos, reutilização de água e muito mais.  “Os primeiros colonos marcianos viverão em cúpulas de vidro gigantes e utilizarão robôs de mineração para ajudar a expandir suas casas”. A primeira colônia, chamada por ele de Mars Base Alpha, será usada como base para que os colonizadores consigam montar uma planta propulsora de retorno que será feita pela missão Heart of Gold.

4 – Colonização

Ele afirmou que dobrando o número de voos, que devem ocorrer a cada 26 meses, a cidade poderá crescer sozinha.  De acordo com um dos pesquisadores do projeto, em entrevista à Popular Mechanics, em qualquer lugar no Universo, uma colônia espacial pode precisar apenas de 40 mil voluntários para viabilização genética, de modo que assim serão evitados os efeitos negativos da consanguinidade.

A ideia de Musk é levar um milhão de pessoas para a construção de uma cidade que tenha de tudo, desde fábricas de fundição de ferro até pizzarias. Com uma base funcional e métodos garantidos para produção de metano, a SpaceX e empresas colaboradoras, como a Boeing, poderão começar a enviar equipamentos mais caros de volta para a Terra, para serem reutilizados no período dos 26 meses entre os lançamentos – definido como tal porque é quando a Terra e Marte estão separados por uma distância menor. Logo, uma vez que todos os equipamentos propostos serão reutilizáveis, isso deverá aumentar as oportunidades para o envio de mais pessoas, a fim de prover a construção de uma verdadeira metrópole permanente.

No entanto, ele adverte que qualquer um que esteja interessado deve estar preparado para a morte, uma vez que a primeira viagem poder ser realmente perigosa. “O risco de fatalidade será alto, e não há uma maneira de simplesmente contornar isso”, disse. Ele ressaltou ainda que, quaisquer que sejam os perigos, cada nave terá combustível suficiente para acelerar o envio de suprimentos e substituições críticas.

 Mas será que tudo isso é realmente possível?

 Apesar dos novos detalhes, Musk ainda tem uma série de furos a serem preenchidos. Ainda, ele terá de enfrentar uma grande quantidade de testes, isso sem falar nas despesas para os próximos meses e anos. Josh Logsdon, um especialista e historiador no Instituto de Política Espacial da Universidade George Washington, nos EUA, que estava na plateia durante o discurso de Musk no México, é completamente cético ao plano e afirmou que é extremamente improvável que tudo isso aconteça. “Ele minimiza as coisas que vão exigir uma quantidade razoável de mais pesquisas e trabalhos”, disse. Sobre os desenhos da nave espacial, ele explicou que é difícil ver “onde 100 pessoas poderão viver durante meses esperando até o momento em que possam voltar para casa”.

Por outro lado, ele afirma que Musk está apenas expondo uma visão, “e visões não têm de ser consistentes e coerentes se a intenção é motivar as pessoas e dizer: ‘olha, algo tecnicamente poderia ser feito”. No entanto, isso só ocorrerá “se tivermos vontade, dinheiro e envolvimento suficiente de parceiros, é claro”.
Fonte: http://www.jornalciencia.com

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Dispositivo inovador promete acabar para sempre com a necessidade de usar óculos


 
óculossaúdetecnologia
Talvez você esteja lendo estas palavras através de um óculos ou de uma lente. Contudo, no que depender dos canadenses da Ocumetics, você não vai mais precisar dessa ajudinha. A empresa afirma estar desenvolvendo um dispositivo que deverá ser implantado no olho e não só vai corrigir qualquer problema de visão, como também torná-la melhor, superior à visão humana padrão.

De acordo com a CBC, a Ocumetics Bionic Lens pode ser implantada no olho em uma micro cirurgia de 8 minutos. O material do dispositivo não afeta a fisiologia do olho e torna a visão cerca de três vezes melhor. Uma placa que uma visão saudável não enxerga a 10 metros, ficará nítida a 30 metros de distância, por exemplo. O gadget promete ainda acabar com os sintomas de dores de cabeça e desconforto enfrentados por muita gente ao assistir a filmes 3D.

Qual é a mágica por trás disso? A Ocumetics não detalha a tecnologia por trás de seu produto, mas afirma que está pronta para iniciar testes em animais e estima que o dispositivo esteja disponível comercialmente já em 2017.








Fonte: http://www.hypeness.com.br/2015/06/dispositivo-inovador-promete-corrigir-problemas-de-visao-de-uma-vez-por-todas/